7 Aplicações da Web3 que estão transformando o Esporte!

Veja 7 Aplicações da Web3 no Esporte que estão transformando a maneira como jogamos, assistimos e interagimos com os eventos esportivos.

Teste sua paixão pelo futebol. Conecte-se e negocie com outros fãs!

A inovação esportiva é um campo em constante evolução, com novas tecnologias e ideias sendo implementadas regularmente para aprimorar a performance de atletas e equipes, aumentar a receita de entidades esportivas e melhorar a experiência e o engajamento dos fãs.

Como entusiasta do Esporte, sempre fiquei fascinada como as inovações transformam a maneira como vivenciamos os eventos esportivos.

Uma das inovações que mais me fascinam é a Web3, terceira geração da Internet, que inclui tecnologias emergentes, como blockchain, criptomoedas, contratos inteligentes e descentralização (sem intermediários).

Pensando nisso, criei o glossário de Web3, a fim de fornecer uma lista detalhada dos principais termos relacionados à terceira geração da Internet, e as aplicações da Web 3.0 no Esporte.

Glossário Web3 (Parte 1)

Airdrop

Distribuição gratuita de tokens. É uma estratégia de promoção adotada por vários projetos.

Bear Market

Forte queda no mercado, em que os investidores vendem seus ativos.

Bitcoin

Moeda virtual descentralizada baseada em tecnologia blockchain.

Primeira criptomoeda do mundo (criada em 2008 pelo pseudônimo de Satoshi Nakamoto).

Blockchain

Junção de duas tecnologias muito utilizadas e consolidadas anteriormente: a criptografia e a peer-to-peer (P2P).

Bull Market

Aumento da capitalização total do mercado de cripto ativos causada pela entrada de novos investidores.

Criptomoeda

Moeda virtual descentralizada e baseada em tecnologia blockchain.

DAO

Organização descentralizada cujas decisões são tomadas por todos os membros da DAO.

ETH

Moeda da Ethereum (blockchain).

Etherscan

Ferramenta para visualizar informações relacionadas a transações realizadas na blockchain da Ethereum.

Fee

Taxa de uso das redes blockchains.

Gas Price

Preço para realizar uma transação na rede Ethereum, cuja operação é calculada em ETH.

Holder

Comprador do Token Não-fungível (NFT).

Glossário Web3 (Parte 2)

Metaverso

O Metaverso (termo cunhado pelo escritor Neal Stephenson, no livro de ficção científica Snow Crash, publicado em 1992) é um ambiente virtual imersivo construído por meio de diversas tecnologias, como Realidade Virtual, Realidade Aumentada e hologramas.

No Metaverso, as pessoas interagem, divertem-se, jogam on-line, assistem a eventos esportivos e shows, realizam reuniões, compram. Tudo por meio de avatares.

Mint

Criar um NFT na blockchain, que atesta autenticidade e propriedade do ativo digital.

O mint também é realizado quando o comprador adquire o ativo digital e se torna o primeiro proprietário do NFT, o qual pode ser revendido.

Vale lembrar que você “minta” um NFT, cuja arte ainda não foi revelada.

Só após um período, ou de uma determinada quantidade de NFTs mintados, a arte é revelada.

NFTs

Ativo digital único, como obras de arte, músicas, jogos e outros conteúdos digitais, com certificado de autenticação (blockchain).

Rarible e OpenSea

Marketplaces para a compra e venda de NFTs.

Roadmap

Linha do tempo com as datas, informações e benefícios do seu projeto.

Smart contract (contrato inteligente)

Contrato executado de forma independente com alguns “termos de acordo” pré-determinados.

Wallet (carteira digital)

Dispositivo (extensões de um navegador web, um aplicativo móvel ou um hardware), em que são armazenados os ativos digitais (moedas, tokens e NFTs).

Waitlist

Pré-cadastro para pessoas terem acesso a benefícios exclusivos ou antes dos demais.

7 aplicações da Web3 que estão revolucionando o Esporte!

No esporte, a tecnologia Web3 pode ser usada para aumentar a transparência, a segurança e a eficiência em várias áreas, tais como:

NFTs (Non-Fungible Tokens): itens digitais únicos e intransferíveis, que atestam a autenticidade de um ativo e que podem ser comprados, vendidos e negociados como bens de colecionador.

O uso dos NFTs é bastante abrangente e ainda pouco explorado, pois é uma tecnologia relativamente nova.

No esporte, os NFTs estão sendo usados ​​para criar colecionáveis ​​digitais exclusivos, como cartões de beisebol, figurinhas e outros itens colecionáveis.

Alguns NFTs representam momentos icônicos de jogos, como o gol decisivo de uma final de campeonato ou uma jogada incrível de um jogador.

Ou dão acesso exclusivo a experiências e conteúdo dos times e jogadores favoritos dos fãs, como acesso a bastidores, entrevistas exclusivas e outros conteúdos exclusivos que só podem ser acessados ​​por meio de um NFT.

1. NFTs Esportivos

Uma das precursoras do uso de NFTs no Esporte foi a NBA (National Basketball Association, associação americana de basquete) com a transformação de momentos dos jogos dos times da liga em cards colecionáveis.

A Editora Italiana Panini lançou o álbum do Campeonato Espanhol de Futebol Megacracks LaLiga Santander 22/23 NFT Elite.

O álbum é a versão digital de um cartão de papel impresso obtido na compra da caixa NFT.

Ao adquirir a caixa NFT, o proprietário pode conectar os NFTs do Polygon ao Ethereum, por meio do site MGK

Outra iniciativa foi da empresa Sorare, que criou cards colecionáveis de times e lendas do Futebol.

Um dos primeiros cards foi de Ronaldo, o Fenômeno.

Os cards chamados de Sorare Legendary XI contêm entrevistas com os atletas.

O Atlético Mineiro criou uma coleção de camisas históricas em formato NFT (cada uma com versões 2D e 3D).

O Bahia também lançou os uniformes, os mascotes, o escudo, a bandeira e a gravação original do hino do clube em NFT;

Já o Vasco criou ingressos comemorativos em NFT.

2. Metaverso

2. Transmissão de eventos esportivos e experiências imersivas: criação de plataformas de transmissão de jogos descentralizadas, em que os fãs assistam aos jogos e interajam com outros torcedores.

O Metaverso (termo cunhado pelo escritor Neal Stephenson, no livro de ficção científica Snow Crash, publicado em 1992) é um ambiente virtual imersivo construído por meio de diversas tecnologias, como Realidade Virtual, Realidade Aumentada e hologramas.

No Metaverso, as pessoas interagem, divertem-se, jogam on-line, assistem a eventos esportivos e shows, realizam reuniões, compram. Tudo por meio de avatares.

E agora, com o Metaverso, é possível sentir a emoção de estar no estádio e e ter experiências imersivas nas maiores instalações esportivas do mundo, mesmo que você esteja em casa.

Já imaginou conhecer a Arena do Corinthians sem ir a São Paulo, a Rafa Nadal Academy sem ir à Espanha ou correr nas pistas da Nike sem ir aos Estados Unidos?

Sim, é possível realizar essas e muitas atividades.

Tudo graças ao Metaverso!

Arena Corinthians

O Corinthians criou uma plataforma de realidade virtual, em que é possível ver o estádio em 360 graus, visitar vestiários, os corredores de acessos dos setores e até espaços exclusivos da zona de competição dos jogadores, como campo, vestiários, zona mista, sala de imprensa e sala de coletiva, ao som da torcida corintiana ao fundo (caso o torcedor opte por tal possibilidade);

Rafa Nadal Academy

Sim, é possível conhecer a Rafa Nadal Academy sem ir à Espanha.

Tudo graças ao Metaverso!

No Metaverso da Rafa Nadal Academy, é possível fazer um tour pra conhecer as instalações de uma das principais escolas de tênis do mundo, cujo dono é o tenista espanhol Rafael Nadal.

No tour, é possível visitar o centro esportivo (academia, spa, dormitórios para os familiares, piscina e restaurante); o colégio (quartos dos atletas, escola de tênis) e o Edifício principal (centro médico, quadras rápidas e de saibro).

Também é possível completar missões e ganhar prêmios.

Nikeland

É possível praticar Esportes (Natação, Atletismo) e atividades recreativas, como pega-pega no trampolim ou jogar queimada, na Nikeland (Metaverso da Nike no Roblox – plataforma de jogos on-line free-to-play voltado para crianças -, uma réplica da sede mundial da empresa).

É possível criar minijogos ou misturar os seus esportes favoritos.

Também é possível vestir os avatares com produtos da empresa e colecionar bens (tênis, roupas e acessórios) da Nike.

7 Aplicações da Web3 que estão transformando o Esporte: Gerenciamento de Direitos de Transmissão

Gestão e rastreamento dos direitos de transmissão de jogos esportivos, garantindo que os direitos sejam vendidos e usados ​​de forma justa e transparente.

A web3 também pode permitir novas formas de monetização para os proprietários de direitos de transmissão e para os espectadores.

Por exemplo, contratos inteligentes podem ser usados para permitir que os espectadores paguem apenas pelos eventos esportivos que desejam assistir, em vez de se comprometerem com pacotes de assinatura caros.

4. Compra e Venda de Bilhetes

Criação de plataformas de compra e venda de bilhetes para eventos esportivos, a fim de evitar falsificações e cambismo, como o fato que ocorreu na final da Champions League entre Liverpool e Real Madrid, que causou frustração nos torcedores que não puderam assistir ao jogo, já que haviam comprado ingressos falsos e transtorno aos organizadores do evento, que tiveram de adiar o início da partida em 37 minutos;

5. Fan Tokens

Emissão de tokens exclusivos, que podem ser comprados e vendidos por fãs.

O fan token é uma versão 3.0 do programa de sócio-torcedor.

No entanto, diferente dos programas tradicionais de sócio-torcedor, os fan tokens podem se valorizar ou desvalorizar com o passar do tempo.

E, assim, como os programas de sócio-torcedor, os fan tokens visam gerar o engajamento de torcedores e fãs, que influenciam nas decisões do clube, por meio de enquetes e votações.

Ademais, os tokens possibilitam que os torcedores participem de promoções, acessem conteúdos exclusivos, etc.

O Corinthians criou o fan token $SCCP, que esgotou a venda em apenas 2 horas (850 mil unidades) e bateu recordes no Mercado Bitcoin (patrocinador do clube).

Em troca do ativo, os fãs receberam o direito de indicar qual jogador (Ronaldo Fenômeno, Basílio e Gilmar dos Santos Neves) entrará para o Hall da Fama do Corinthians;

O Atlético Mineiro ($GALO), o Flamengo ($MENGO), o Santos (Santos FC Fan Token), o São Paulo ($SPFC) e o Cruzeiro (CRZO) também criaram os seus fan tokens;

Já a Seleção Brasileiro criou o Brazil Fan Token (BFT), que foi vendido em apenas 19 minutos (maior do mundo envolvendo tokens de torcedor) e arrecadou R$ 90 milhões.

Em troca do ativo, os fãs receberam recompensas exclusivas.

Vale ressaltar que é necessário ter criptomoedas, para comprar os Fan Tokens.

7 Aplicações da Web3 que estão transformando o Esporte: Transações de Propriedade de esportistas

Registro e transferência da propriedade de atletas, incluindo de desportistas de jogos eletrônicos.

As transações de propriedade referem-se ao uso da tecnologia blockchain e de criptomoeda para realizar acordos de compra e venda de atletas ou direitos de propriedade associados a eles.

A web3 oferece uma plataforma para essas transações, em que as informações são armazenadas em um registro descentralizado e imutável, tornando as transações mais seguras e transparentes.

Por exemplo, um contrato inteligente (automatizar o processo de transação/ programas de computador que executam automaticamente as condições acordadas pelas partes envolvidas em uma transação), pode ser usado para transferir a propriedade de um jogador de futebol de um clube para outro, assim que as cláusulas forem cumpridas.

Além disso, a criptomoeda pode ser usada para facilitar o pagamento entre as partes, sem a necessidade de intermediários financeiros tradicionais.

Ademais, a web3 pode, potencialmente, permitir que fãs e investidores comprem uma parcela de propriedade de um atleta, criando uma nova forma de financiamento.

7. Transparência na Negociação de Patrocínios

Elaboração de contratos inteligentes para rastrear o impacto de patrocínios esportivos.

Tal ação permite que as partes envolvidas, como os patrocinadores, os times e os atletas, tenham acesso a um registro transparente e imutável de todas as transações relacionadas ao patrocínio (quem está patrocinando, quanto foi investido, quais são as obrigações e direitos das partes envolvidas, entre outros dados relevantes).

Além disso, os contratos inteligentes podem incluir cláusulas específicas que regulem o uso do patrocínio, como exigir que os atletas ou times apoiados publiquem conteúdo específico em suas redes sociais ou compareçam a eventos promocionais.

Tais iniciativas permitem que as marcas avaliem a eficácia de suas campanhas de patrocínio e tomem decisões embasadas sobre onde investir seus recursos.

Além disso, a web3 pode, potencialmente, permitir que os fãs e entusiastas do esporte investam diretamente em seus atletas e equipes favoritas, por meio de contratos inteligentes e tokens criptográficos.

Tal iniciativa ajudaria a democratizar o acesso ao patrocínio esportivo e a dar mais poder aos fãs na escolha de quem apoiar.

Outra possibilidade é a criação de tokens de patrocínio baseados em blockchain, que podem ser usados para representar patrocínios e transações relacionadas.

Isso permitiria que os patrocinadores e outros interessados comprassem e vendessem esses tokens em um mercado aberto, criando um sistema mais transparente e descentralizado para gerenciar patrocínios esportivos.

Conclusão de 7 Aplicações da Web3 que estão transformando o Esporte

A Web3 está mudando o esporte. Com a tecnologia, os atletas podem se conectar diretamente com os fãs, criar novos tipos de experiências e aumentar a participação dos torcedores.

Enfim, a Web3 está tornando o Esporte acessível a todos.

Assista ao melhor do esporte mundial ao vivo ou na hora que você quiser!

Curtiu 7 Aplicações da Web3 que estão transformando o Esporte? Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − catorze =